Quando Proteger a sua Marca

 
 

QUANDO PROTEGER A SUA MARCA

Muita gente com quem converso tem diversas desculpas para não proteger/registrar a sua marca: que são pequenos demais para isso; que se o negócio der certo, vão registrar; que é caro demais para este momento da empresa; que não acreditam nisso ou que no Brasil ninguém dá importância para isso; que já estão no mercado há tempos e nunca deu problema; etc, etc, etc.

Entendo perfeitamente todas estas alegações. Mas….não há como concordar com elas. Vejamos alguns motivos:

1. “Minha empresa é pequena para isso”:

a. Conheço poucas empresas que nasceram grandes. A grande maioria começa bem pequena e crescem, como a Apple ou Microsoft. Também conheço poucas empresas que não querem crescer. Por isso, a empresa ser pequena ou não, pouco importa. O registro da marca é fundamental tanto para a empresa pequena como para a grande. Se não crescer na sua gestão, pense que poderá crescer por seus herdeiros.

2. “Se meu negócio der certo, eu registro”:

a. Quando o seu negócio “der certo” (que já é um conceito subjetivo) pode já ser tarde e você pode ter que mudar a marca, nome da empresa, material publicitário, embalagens, arriscar perder mercado, pagar indenizações, refazer contratos, etc.
b. Começar certo, poder investir na sua empresa de forma segura para crescer é uma das premissas básicas para o seu negócio.
c. Para começar certo, sem riscos, é necessário ter uma estrutura legal correta, seja através da formalização de seu negócio, seja através da verificação se você está infringindo o direito de terceiros ou não (uma das coisas que mais “queima” um negócio e quando o cliente pede uma Nota Fiscal e você fala que não tem).
d. Para saber se não está infringindo o direito de terceiros, é importante verificar se a marca que você quer utilizar não está registrada no INPI no seu segmento de mercado, e, se não existir, faça o registro o mais rápido possível.

3. “É caro demais para o meu momento”:

a. Tudo bem que “caro” é um tanto relativo. Mas, muita gente se surpreende quando falo de valores.
b. Sempre comparo o custo do seguro de um carro com o custo do registro de uma marca, para que as pessoas tenham uma ideia de grandeza. Geralmente, o custo do seguro do carro é maior do que o registro da marca.
c. Em ordem de grandeza, o custo de registro da marca, em um escritório como o nosso, gira em torno de R$ 2.500,00, sendo R$ 1.300 na primeira fase do processo, e R$ 1.200 na segunda fase, cerca de 10 meses depois. Os valores de honorários são parceláveis e, em alguns casos, a empresa poderá ter descontos em razão de nossas parcerias. Um novo custo, apenas depois de 10 anos. Com certeza o custo do seguro de seu automóvel é mais caro e você ainda tem que pagar todo ano.
d. Lembrando apenas que estamos falando de dois bens com valor patrimonial. Entretanto, o carro perde o seu valor a cada ano, e a tendência é que sua marca aumente o seu.

4. “Que não acreditam nisso” ou “no Brasil ninguém liga para isso”:

a. Algumas pessoas ainda falam isso. É como não acreditar em seguro de automóvel ou em vacina.
b. A única forma legal de proteger a sua marca e seu negócio é o registro.
c. Hoje, são depositadas cerca de 200 mil marcas por ano. Destas mais de 200 mil, quase 70% são de pequenas e microempresas brasileiras. Isso mostra que, cada vez mais, pequenos empresários estão se preocupando com o assunto e apostando em suas marcas para crescer no mercado.

5. “Que já estão no mercado há tempos e nunca deu problema”:

a. Se for esperar ter problema para registrar a sua marca, é como colocar a tranca depois que o ladrão entrou.
b. E o fato de você nunca ter tido o seu carro roubado não é motivo para você não fazer um seguro…..

Sendo assim, cuide de seu negócio e de sua marca, pois ela é o elo de ligação entre você e seu consumidor.

Mauricio de Souza Tavares

2020-01-08T16:52:59+00:00